Cometi um Crime? Representações sobre a (i)legalidade do aborto

Autores: Boaventura de Sousa Santos, Ana Cristina Santos, Madalena Duarte, Carlos Barradas, Magda Alves
Editora: Afrontamento, 2010

"O grande valor deste estudo (...) é permitir o debate, questionar alguns discursos adquiridos, mesmo no campo das esquerdas e dos feminismos, dar visibilidade a ações menos consensuais pela sua radicalidade, como foi o caso do projecto "Fazer Ondas" com a vinda da Women on Waves a Portugal, em 2004. Este trabalho evidencia, ainda, as contradições entre uma lei que criminalizava, ou seja um Direito emanado pelo Estado que visava controlar o corpo, e os discursos das mulheres que abortavam, que não se viam como criminosas nem acreditavam que a sociedade as visse como tal. As diferentes percepções da (i)legalidade não só entre as mulheres que abortavam como entre os e as ativistas constituem também motivo para reflexão.

Um dos importantes contributos deste livro constitui a análise dos factores dominantes para a vitória do SIM no referendo de 2007: a visibilidade, a legitimidade e a retórica ou seja os discursos e a argumentação produzida.

(...) o corpo como lugar de inscrição das relações de poder tem tido muitas dificuldades em se afirmar na esfera pública, como reflexo do conservadorismo na sociedade portuguesa. Deste modo, o corpo é alvo de normatividades construídas para domesticar e invisibilizar o poder de decisão das mulheres sobre si próprias".

Texto extraído do discurso de Manuela Tavares na apresentação do livro.

Boaventura de Sousa Santos, Ana Cristina Santos, Madalena Duarte, Carlos Barradas e Magda Alves são investigadores do Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra, onde desenvolveram um estudo sobre "Representações sobre (I)legalidades, o caso da saúde reprodutiva em Portugal".

© copyright SNESup | Todos os direitos reservados

 
visitas