Dia Internacional da Mulher

03/08/2021

Colega,

hoje celebra-se o 46º Dia Internacional da Mulher. Desde que, em 1975, foi estabelecida esta data pelas Nações Unidas, a participação das mulheres no Ensino Superior e Ciência transformou-se significativamente.

Ao longo das últimas décadas, o aumento expressivo da presença de mulheres entre os estudantes e diplomados de licenciatura, mestrado ou doutoramento em quase todas as áreas científicas é uma conquista a celebrar.

Esse aumento permite que, no ano letivo 2019/20, as mulheres correspondam a  44% dos docentes no ensino universitário e a 48% dos do politécnico (dados da Direção Geral de Estatísticas de Educação e Ciência), representando 51% entre os investigadores com alguma forma de contrato no Ensino Superior e Ciência (dados do Inquérito ao Potencial Científico e Tecnológico). Porém, continuam a persistir e a agravar-se inaceitáveis desigualdades.

A crise pandémica que atravessamos tem, aliás, evidenciado e acentuado as desigualdades de género. É sobre as mulheres que mais recaem, na esmagadora maioria das famílias, as tarefas de acompanhamento da vida escolar dos filhos que, com o encerramento das escolas, se tornaram muito mais exigentes. São igualmente sobretudo as mulheres quem apoia os mais jovens, os mais idosos e os que adoecem.

Diversos estudos indicam que as mulheres, quando comparadas com os homens, são sempre mais afetadas pelos efeitos sociais e económicos de surtos de doenças infeciosas. As dificuldades de conciliação entre família e trabalho têm-se agravado para todos durante a pandemia, mas essa tendência é particularmente preocupante para a inserção profissional das mulheres.

No Ensino Superior e Ciência, são as professoras e investigadoras que em maior número trabalham em situações precárias e ocupando categorias iniciais das carreiras. O facto de apenas uma pequena parte das universidades e politécnicos serem dirigidas por mulheres é outro indício de que a igualdade no trabalho está ainda longe de ser alcançada.

Hoje e todos os dias é fundamental denunciar e combater as desigualdades de oportunidades entre mulheres e homens. O SNESup solidariza-se com ações de promoção da igualdade de oportunidades para as mulheres, nomeadamente com a Greve Feminista Internacional cujo manifesto pode ser consultado aqui: https://vidaindependente.org/blog/2021/02/17/dia-8-de-marco-junta-te-a-greve-feminista-internacional/

#éparacumprir

Saudações Académicas e Sindicais,
A Direção do SNESup
8 de março de 2021

Share This